segunda-feira, 30 de julho de 2012

Simulado de Filosofia

 
QUESTÃO 01 – (UFF/2010)
O metro equivale a um décimo milionésimo do comprimento do quadrante da Terra e faz parte do Sistema Métrico Decimal (SMD), uma das invenções mais notáveis do período do Iluminismo e um dos legados permanentes da Revolução Francesa.
Até então, eram usadas medidas antropocêntricas (como o pé, a palma, o côvado, etc.) que, além de não terem relação umas com as outras, variavam entre as regiões e os países, dificultando a cobrança de impostos, o comércio e o intercâmbio científico. A Assembléia Nacional Francesa determinou que os cientistas estudassem um sistema de medidas prático e válido “para todos os tempos, para todos os povos”. O Sistema Métrico Decimal foi adotado na França em 1799 e definiu sua medida
principal (o metro), baseado na dimensão da Terra, ou seja, em algo inalterável e comum a todos os países.
Assinale a opção que melhor expressa o significado dessa invenção.
a) Sistema imposto à França pela coalizão contrarrevolucionária europeia liderada pela Inglaterra.
b) Sistema adotado para fortalecer o bloqueio continental que Napoleão impôs à Europa.
c) Sistema cuja adoção derivou da vontade do rei da França que gostava de trabalhos manuais e precisava de padrões modernos de medida.
d) Sistema típico da mentalidade científica do século XVIII, pois vincula as medidas de todas as coisas às dimensões objetivas da natureza.
e) Sistema resultante da inovação do regime do Terror durante a Revolução Francesa.



QUESTÃO 02 – (UFF/2010)
Como uma onda
Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará
A vida vem em ondas
Como um mar
Num indo e vindo infinito
Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo
Não adianta fugir
Nem mentir
Pra si mesmo agora
Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Lulu Santos e Nelson Motta

A letra dessa canção de Lulu Santos lembra ideias do filósofo grego Heráclito, que viveu no século VI a.C. e que usava uma linguagem poética para exprimir seu pensamento. Ele é o autor de uma frase famosa: “Não se entra duas vezes no mesmo rio”.
 

Dentre as sentenças de Heráclito citadas a seguir, MARQUE aquela da qual o sentido da canção de Lulu Santos mais se aproxima.
a) Morte é tudo que vemos despertos, e tudo que vemos dormindo é sono.
b) O homem tolo gosta de se empolgar a cada palavra.
c) Ao se entrar num mesmo rio, as águas que fluem são outras.
d) Muita instrução não ensina a ter inteligência.
e) O povo deve lutar pela lei como defende as muralhas da sua cidade.



QUESTÃO 03 – (IFPE/2009)
Apresentam-se abaixo afirmações a respeito da moral, na filosofia kantiana.
Assinale a CORRETA.
a) Agir por dever é agir conforme a lei moral por respeito (sentimento puro).
b) A forma lógica do imperativo moral é hipotética.
c) Deus e alma são realidades ontológicas necessárias apenas no âmbito prático.
d) Uma ação por interesse pode ser moral, desde que ela vise ao bem-comum.
e) Para Kant, a lei moral e a lei jurídica têm o mesmo conteúdo e a mesma forma.



QUESTÃO 04 – (UCG/2009)
Encontrar a origem das desigualdades entre os homens e a solução para esse problema é um tema de grande relevância na obra do filósofo Jean-Jacques Rousseau, que exaltava o homem natural, livre e solitário, em oposição ao homem que vive em sociedade, corrompido e fraco.
Para Rousseau, a sociedade civil, que promove a desigualdade entre os homens subordinando uns ao outros, origina-se
com a noção de
a) propriedade.
b) poder.
c) trabalho.
d) hierarquia.



QUESTÃO 05 – (UNIOESTE/2009)
“Enquanto eu queria assim pensar que tudo era falso, cumpria necessariamente que eu, que pensava, fosse alguma coisa. E, notando que esta verdade: eu penso, logo existo, era tão firme e tão certa [...], julguei que podia aceitá-la, sem escrúpulo, como o primeiro princípio da Filosofia que procurava”.
(Descartes)
Sobre a questão do conhecimento, seguem as seguintes afirmações:
I – Descartes, por meio da dúvida metódica, buscava uma primeira verdade para, a partir dela, fundamentar todo o conhecimento.
II – a dúvida cartesiana mostrou que é impossível aos homens atingir o conhecimento verdadeiro.
III – Descartes acreditava que devíamos conhecer primeiro o que era mais complexo para depois atingir as coisas mais simples.
IV – o “penso, logo existo” é a primeira verdade, para Descartes, porque é sempre verdadeiro que, mesmo quando duvido, eu penso e é preciso que eu exista para poder pensar.
V – as verdades mais evidentes e primeiras, para Descartes, dizem respeito aos objetos físicos ou materiais.

Das proposições feitas anteriormente,
a) I e IV são corretas.
b) III, IV e V são corretas.
c) I, III e IV são corretas.
d) todas elas são corretas.
e) todas elas são incorretas.



QUESTÃO 06 – (UNIOESTE/2010)
“Até agora se supôs que todo nosso conhecimento tinha que se regular pelos objetos; porém, todas as tentativas de mediante conceitos estabelecer algo a priori sobre os mesmos, através do que o nosso conhecimento seria ampliado, fracassaram sob esta pressuposição. Por isso tente-se ver uma vez se não progredimos melhor nas tarefas da Metafísica admitindo que os objetos têm que se regular pelo nosso conhecimento a priori, o que assim já concorda melhor com a requerida possibilidade de um conhecimento a priori dos mesmos que deve estabelecer algo sobre os objetos antes de nos serem dados”. (Kant)
De acordo com o pensamento de Kant, é CORRETO afirmar que
a) o conhecimento resulta da ação dos objetos sobre nossa capacidade perceptiva, de modo que todo conhecimento deriva da experiência.
b) nada pode ser estabelecido sobre os objetos que não seja dado por eles ou por meio deles.
c) nosso conhecimento é regulado por princípios que se encontram em nossa mente; como tais, são anteriores e independentes de toda experiência.
d) é dispensável fazer uma crítica da Razão e dos limites e possibilidade do conhecimento.
e) a Metafísica se constituiu há muito tempo como disciplina que “encetou o caminho seguro de uma ciência”.



QUESTÃO 07 – (PUC-PR 2009)
Partindo da afirmação metafísica de que todo ser caminha para a realização de sua natureza, Aristóteles defende que o fim
do homem é a sua realização plena.
De acordo com as ideias do autor sobre esse assunto, é CORRETO afirmar que
I – o fim do ser humano é a conquista do Bem, o qual está associado à ideia de felicidade.
II – a felicidade seria alcançada pelo seguimento dos instintos e impulsos naturais, já que a razão seria incapaz de conduzir o homem para o Bem.
III – o Bem humano seria alcançado pela prática da virtude, o que pressuporia o uso da racionalidade, já que só as ações conscientes em direção à virtude garantiriam a felicidade.
IV – a virtude seria um justo meio, ou seja, uma medida de equilíbrio entre a falta e o excesso, e a conquista dessa medida poderia variar em cada situação moral, já que, para Aristóteles, a ética é uma ciência prática.
a) Apenas as assertivas I e II estão corretas.
b) Apenas a assertiva I está correta.
c) Todas as assertivas estão corretas.
d) Apenas a assertiva IV está correta.
e) Apenas as assertivas I, III e IV estão corretas.

QUESTÃO 08 – (PUC-PR/2009)
Na sua obra Novum Organum, publicada em 1620, o filósofo Francis Bacon inaugura uma nova concepção de conhecimento científico.
Sobre esse novo conceito de ciência, é CORRETO afirmar que
I – para Bacon, a nova ciência deveria continuar usando o método dedutivo, já que ele é superior ao método indutivo pois este estaria por demais limitado aos dados estatísticos observáveis.
II – ele pretende distanciar-se da visão aristotélica de ciência como pura contemplação, como um saber em si mesmo.
III – ele busca um tipo de ciência que não privilegie o falar (a retórica), mas o fazer (as obras), ou seja, trata-se de um método de enfrentamento da natureza visando transformar o mundo a favor do ser humano. É isso o que explica a sua frase: “Os gregos, com efeito, possuem o que é próprio das crianças: estão sempre prontos para tagarelar, mas são incapazes de gerar, pois a sua sabedoria é farta em palavras, mas estéril em obras”. (Novum Organum, Livro I, § LXXI).
IV – para Bacon, o saber científico dos gregos (entre os quais Aristóteles) é extremamente útil para a ciência moderna
porque forneceria as bases para a pesquisa instrumental.
a) Apenas as assertivas I e II estão corretas.
b) Apenas as assertivas II e IV estão corretas.
c) Apenas as assertivas II e III estão corretas.
d) Todas as assertivas estão corretas.
e) Apenas a assertiva IV está correta.



QUESTÃO 09 – (PUC-PR/2009)
A obra de Jean-Jacques Rousseau, Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens, tem como questão central discutir se a desigualdade entre os homens civilizados tem uma origem (e, portanto, uma legitimidade) natural.
Quanto à conclusão do autor, que se apresenta como tese principal da obra, é CORRETO afirmar que:
I – A desigualdade social não tem nenhuma legitimidade natural.
II – A desigualdade natural legitima a desigualdade social, já que os mais fortes se apropriaram legitimamente dos bens da natureza a seu favor.
III – A desigualdade econômica e social surge da propriedade privada, que corrompe os costumes e cria uma falsa associação política.
IV – A desigualdade seria parte do estado de natureza do ser humano e constituiria legitimamente a sua essência.
a) Apenas as assertivas I e II estão corretas.
b) Apenas a assertiva I e IV estão corretas.
c) Apenas as assertivas I e III estão corretas.
d) Todas as assertivas estão corretas.
e) Apenas a assertiva IV está correta.



QUESTÃO 10 – (UFU 2008)
Leia atentamente o texto a seguir sobre a Teoria do Hábito em David Hume.
E é certo que estamos aventando aqui uma proposição que, se não é verdadeira, é pelo menos muito inteligível, ao afirmarmos que, após a conjunção constante de dois objetos – calor e chama, por exemplo, ou peso e solidez –, é exclusivamente o hábito que nos faz esperar um deles a partir do aparecimento do outro.
HUME, D. Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. São Paulo: Editora UNESP, 2004. p. 75.

Com base na Teoria de Hume e no texto anterior, marque a alternativa INCORRET A, ou seja, aquela que de modo algum pode ser uma interpretação adequada desse texto.
a) A conjunção constante entre dois objetos explica a força do hábito e, conseqüentemente, o procedimento da inferência.
b) A hipótese do hábito é compatível com a teoria de Hume, pois defende que todo o nosso conhecimento é construído por experiência e observação.
c) Se a causalidade fosse construída a priori e de modo necessário, não seria preciso recorrer à experiência e à repetição para que de uma causa fosse extraído o respectivo efeito.
d) O hábito jamais pode ser a base da inferência. Em virtude disso, os conceitos de causa e efeito jamais podem se aplicar a qualquer objeto da experiência.



QUESTÃO 11 – (UEL/2008)
Segundo Adorno e Horkheimer, “a indústria cultural pode se ufanar de ter levado a cabo com energia e de ter erigido
em princípio a transferência muitas vezes desejada da arte para a esfera do consumo, de ter despido a diversão de suas
ingenuidades inoportunas e de ter aperfeiçoado o feitio das mercadorias”.
(ADORNO, T. , HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Trad. de Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1985. p. 126.)
Com base nessa passagem e nos conhecimentos sobre indústria cultural em Adorno e Horkheimer, é CORRETO afirmar que
a) a indústria cultural excita nossos desejos com nomes e imagens cheios de brilho a fim de que possamos, por contraste, criticar nosso cinzento cotidiano.
b) a fusão entre cultura e entretenimento é uma forma de valorizar a cultura e espiritualizar espontaneamente a diversão.
c) a diversão permite aos indivíduos um momento de ruptura com as condições do trabalho sob o capitalismo tardio.
d) os consumidores têm suas necessidades produzidas, dirigidas e disciplinadas mais firmemente quanto mais se consolida a indústria cultural.
e) a indústria cultural procura evitar que a arte séria seja absorvida pela arte leve.



QUESTÃO 12 – (UFU/2008)
Considere o texto a seguir.
Dostoiévski escreveu: “Se Deus não existisse, tudo seria permitido”. Eis o ponto de partida do existencialismo. De fato, tudo é permitido se Deus não existe, e, por conseguinte, o homem está desamparado porque não encontra nele próprio nem fora dele nada a que se agarrar. Para começar, não encontra desculpas.
SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um humanismo. Trad. Rita Correia Guedes. São Paulo: Nova Cultural, 1987. p. 9.
 

Tomando o texto anterior como referência, marque a alternativa CORRETA.
a) Nesse texto, Sartre quer mostrar que sua teoria da liberdade pressupõe que o homem é sempre responsável pelas escolhas que faz e que nenhuma desculpa deve ser usada para justificar qualquer ato.
b) O existencialismo é uma doutrina que propõe a adoção de certos valores como liberdade e angústia. Para o existencialismo, a liberdade significa a total recusa da responsabilidade.
c) Defender que “tudo é permitido” significa que o homem não deve assumir o que faz, pois todos os homens são essencialmente determinados por forças sociais.
d) Para Sartre, a expressão “tudo é permitido” significa que o homem livre nunca deve considerar os outros e pode fazer tudo o que quiser, sem assumir qualquer responsabilidade.

QUESTÃO 13 – (UFU/2008)
Na escola, Joana se queixava a uma amiga sobre um namorado que a abandonara para ficar com outra colega da turma. Tentando consolá-la, a amiga lhe disse que ela deveria se acostumar com isso, ou então, nunca mais tentar namorar, pois, disse ela, “os garotos são todos interesseiros”. Deixando a dor de Joana de lado, poderíamos sistematizar o argumento da amiga na forma de um silogismo tal como definido pelo filósofo Aristóteles, da seguinte maneira:
Todo garoto é interesseiro. Premissa maior
Ora, o namorado de Joana é um garoto. Premissa menor Logo, o namorado de Joana é interesseiro. Conclusão
 

A respeito desse argumento, e de acordo com as regras da lógica aristotélica, é CORRETO afirmar que
a) o argumento é inválido, pois a premissa maior é falsa.
b) o argumento é válido, pois a intenção da amiga era ajudar Joana.
c) o argumento é válido, pois a conclusão é uma consequência lógica das premissas.
d) o argumento é inválido, pois a conclusão é falsa.


QUESTÃO 14 – (UFU/2008)
Leia atentamente o texto a seguir e assinale a alternativa que indica com qual teoria filosófica ele se relaciona.
“É possível afirmar que a sociedade se constitui a partir de condições materiais de produção e da divisão social do trabalho, que as mudanças históricas são determinadas pelas modificações naquelas condições materiais e naquela divisão do trabalho e que a consciência humana é determinada a pensar as idéias que pensa por causa das condições materiais instituídas pela sociedade.”
CHAUÍ, M. Filosofia. São Paulo: Ática, 2007.
Esse texto descreve
a) a concepção de Marx, que escreveu obras como Contribuição à Economia Política e O Capital.
b) a concepção de Nicolau Maquiavel, que escreveu, dentre outras obras, O Príncipe.
c) a concepção de Thomas Hobbes, autor do Leviatã.
d) a concepção de Jean Jacques Rousseau, autor de O Contrato Social.



QUESTÃO 15 – (UFU/2008)
Leia o texto a seguir.
“A doutrina que lhes estou apresentando é justamente o contrário do quietismo, visto que ela afirma: a realidade não existe a não ser na ação; aliás, vai longe ainda, acrescentando: o homem nada mais é do que o seu projeto; só existe na medida em que se realiza; não é nada além do conjunto de seus atos, nada mais que sua vida”.
SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um humanismo. São Paulo: Nova Cultural, 1987, Col. Os Pensadores. p. 13.
Filosofia 109
Tomando o texto acima como referência, assinale a alternativa CORRETA.
a) A frase “a realidade não existe a não ser na ação” significa que é o homem aquele que cria toda a realidade possível e imaginável, que o homem é o ser que cria o mundo todo a partir de sua existência.
b) O existencialismo sartreano é uma espécie muito particular de quietismo, porque afirma que o homem é livre a partir do momento em que deixa a decisão sobre a própria existência nas mãos dos outros.
c) Quando Sartre afirma que o homem “nada mais é do que a sua vida”, ele está dizendo que todos são iguais na indeterminação de seus atos e que, portanto, é indiferente ser responsável ou não pelas ações praticadas.
d) O existencialismo de Sartre é o contrário do quietismo, porque defende que a vida humana é feita a partir das ações e escolhas que cada ser humano realiza juntamente com outros homens. A vida do homem é um projeto que se realiza em plena liberdade.



QUESTÃO 16 – (UEL 2007)
Karl Popper, em A Lógica da Investigação Científica, se opõe aos métodos indutivos das ciências empíricas. Em relação
a esse tema, diz Popper: “Ora, de um ponto de vista lógico, está longe de ser óbvio que estejamos justificados ao inferir
enunciados universais a partir dos singulares, por mais elevado que seja o número destes últimos”.
POPPER, K. R. A lógica da investigação científica. Trad. de Pablo Rubén Mariconda. São Paulo: Abril Cultural, 1980, p.3.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre Popper, assinale a alternativa CORRET A:
a) Para Popper, qualquer conclusão obtida por inferência indutiva é verdadeira.
b) De acordo com Popper, o princípio da indução não tem base lógica porque a verdade das premissas não garante a verdade da conclusão.
c) Uma inferência indutiva é aquela que, a partir de enunciados universais, infere enunciados singulares.
d) A observação de mil cisnes brancos justifica, segundo Popper, a conclusão de que todos os cisnes são brancos.
e) Para Popper, a solução para o problema do princípio da indução seria passar a considerá-lo não como verdadeiro, mas apenas como provável.



QUESTÃO 17 – (UEL/2007)
“Deveis saber, portanto, que existem duas formas de se combater: uma, pelas leis, outra, pela força. A primeira é própria do homem; a segunda, dos animais. [...] Ao príncipe torna-se necessário, porém, saber empregar convenientemente o animal e o homem. [...] Sendo, portanto, um príncipe obrigado a bem servir-se da natureza da besta, deve dela tirar as qualidades da raposa e do leão, pois este não tem defesa alguma contra os laços, e a raposa, contra os lobos. Precisa, pois, ser raposa para conhecer os laços e leão para aterrorizar os lobos. Os que se fizerem unicamente de leões não serão bem-sucedidos. Por isso, um príncipe prudente não pode nem deve guardar a palavra dada quando isso se lhe torne prejudicial e quando as causas que o determinaram cessem de existir”.
MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Trad. de Lívio Xavier. São Paulo: Nova Cultural, 1993, cap, XVIII, p.101-102.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre O Príncipe, de Maquiavel, assinale a alternativa CORRET A.
a) Os homens não devem recorrer ao combate pela força porque é suficiente combater recorrendo-se à lei.
b) Um príncipe que interage com os homens, servindo-se exclusivamente de qualidades morais, certamente terá êxito em
manter-se no poder.
c) O príncipe prudente deve procurar vencer e conservar o Estado, o que implica o desprezo aos valores morais.
d) Para conservar o Estado, o príncipe deve sempre partir e se servir do bem.
e) Para a conservação do poder, é necessário admitir a insuficiência da força representada pelo leão e a importância da habilidade da raposa.


QUESTÃO 18 – (UEL/2008)
Para Hobbes,
[...] o poder soberano, quer resida num homem, como numa monarquia, quer numa assembleia, como nos estados
populares e aristocráticos, é o maior que é possível imaginar que os homens possam criar. E, embora seja possível
imaginar muitas más consequências de um poder tão ilimitado, apesar disso as consequências da falta dele, isto é, a
guerra perpétua de todos homens com os seus vizinhos, são muito piores.
HOBBES, T. Leviatã. Trad. de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. São Paulo: Nova Cultural, 1988. capítulo XX, p. 127
Com base na citação e nos conhecimentos sobre a filosofia política de Hobbes, assinale a alternativa CORRET A.
a) Os Estados populares se equiparam ao estado natural, pois neles reinam as confusões das assembleias.
b) Nos Estados aristocráticos, o poder é limitado devido à ausência de um monarca.
c) O poder soberano traz más consequências, justificando-se assim a resistência dos súditos.
d) As vantagens do estado civil são expressivamente superiores às imagináveis vantagens de um estado de natureza.
e) As conseqüências do poder soberano são indesejáveis, pois é possível a sociabilidade sem Estado.



QUESTÃO 19 – (UEL/2008)
Para Locke,
“ o estado de natureza é um estado de liberdade e de igualdade.”
LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo civil. Tradução de Magda Lopes e Marisa Lobo da Costa. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 83.
Com base nos conhecimentos sobre a filosofia política de Locke, assinale a alternativa CORRET A.
a) No estado de natureza, a liberdade dos homens consiste num poder de tudo dispor a partir da força e da argúcia.
b) Os homens são iguais, pois todos têm o mesmo medo de morte violenta em mãos alheias.
c) A liberdade dos homens determina que o estado de natureza é um estado de guerra de todos contra todos.
d) A liberdade no estado de natureza não consiste em permissividade, pois ela é limitada pelo direito natural.
e) Nunca houve na história um estado de natureza, sendo este apenas uma hipótese lógica.



QUESTÃO 20 – (UEL/2008)
Leia o texto a seguir.
Certamente, temos aqui ao menos uma proposição bem inteligível, senão uma verdade, quando afirmamos que, depois da conjunção constante de dois objetos, por exemplo, calor e chama, peso e solidez, unicamente o costume nos determina a esperar um devido ao aparecimento do outro. Parece que esta hipótese é a única que explica a dificuldade que temos de, em mil casos, tirar uma conclusão que não somos capazes de tirar de um só caso, que não discrepa em nenhum aspecto dos outros. A razão não é capaz de semelhante variação. As conclusões tiradas por ela, ao considerar um círculo, são as mesmas que formaria examinando todos os círculos do universo. Mas ninguém, tendo visto somente um corpo se mover depois de ter sido impulsionado por outro, poderia inferir que todos os demais corpos se moveriam depois de receberem impulso igual. Portanto, todas as inferências tiradas da experiência são efeitos do costume e não do raciocínio.
HUME, D. Investigação acerca do entendimento humano. Trad. Anoar Aiex. São Paulo: Nova Cultural, 1999. p. 61-62.
Filosofia 111
Com base no texto e nos conhecimentos sobre o pensamento de David Hume, é CORRET A afirmar que
a) a razão, para Hume, é incapaz de demonstrar proposições matemáticas, como, por exemplo, uma proposição da geometria acerca de um círculo.
b) Hume defende que todo tipo de conhecimento, matemático ou experimental, é obtido mediante o uso da razão, e pode ser justificado com base nas operações do raciocínio.
c) é necessário examinar um grande número de círculos, de acordo com Hume, para se poder concluir, por exemplo, que a área de um círculo qualquer é igual a π multiplicado pelo quadrado do raio desse círculo.
d) Hume pode ser classificado como um filósofo cético, no sentido de que ele defende a impossibilidade de se obter qualquer tipo de conhecimento com base na razão.
e) segundo Hume, somente o costume, e não a razão, pode ser apontado como sendo o responsável pelas conclusões acerca da relação de causa e efeito, às quais as pessoas chegam com base na experiência.



QUESTÃO 21– (UFF/2009)
Na célebre pintura A Escola de Atenas, o artista renascentista italiano Rafael reuniu os principais nomes da filosofia grega, tendo ao centro do quadro as figuras de Platão e de Aristóteles. Na pintura, Platão aponta com sua mão para o alto e Aristóteles aponta para baixo. Desse modo, com estes gestos, Rafael estava ilustrando a distinção entre a filosofia de Platão e a filosofia de Aristóteles.


INDIQUE e DISCORRA sobre a principal diferença entre a filosofia de Platão e a de Aristóteles.

QUESTÃO 22 – (UFF/2009)
O filósofo alemão Immanuel Kant, no século 18, assim define o “Esclarecimento” ou “Iluminismo”:
“O Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade pela qual ele mesmo é responsável. A menoridade é a incapacidade de fazer uso de seu próprio entendimento sem a imposição de outrem. O próprio homem é responsável por sua menoridade quando a causa desta não for a falta de entendimento, mas a falta de decisão e coragem de conduzirse sem a imposição de outrem. Tenha coragem para usar o seu próprio entendimento! Eis o lema do Esclarecimento”. Immanuel Kant, Resposta à Pergunta: Que é ‘Esclarecimento’?
Com base no texto de Kant, comente a importância na vida de cada um de nós de “ter coragem para usar o seu próprio
entendimento”.

QUESTÃO 23 – (UFF/2010)
Coube ao cientista italiano Galileu Galilei, que viveu no final do Renascimento, definir os princípios que até hoje orientam a pesquisa científica. Ele defendia a plena liberdade de pesquisa e afirmava que os conhecimentos científicos devem ser avaliados exclusivamente à luz da observação, da razão e da experimentação.
COMENTE essas ideias e DISCORR A sobre a influência da atividade científica para a formação da consciência dos seres humanos.

QUESTÃO 24 – (UFPR/2010)
Trecho 1
“Portanto, os príncipes italianos que durante muitos anos possuíram Estados e depois os perderam, não devem se voltar contra a sorte, mas sim lamentar-se da própria incapacidade. Porque, como nunca pensaram, nos tempos tranquilos, que as coisas podem mudar (é natural dos homens não pensarem na tempestade nas horas de bonança), quando surge a adversidade tratam de fugir e não de defender-se, na expectativa de que o povo, cansado com a insolência dos invasores, reclame a sua volta. Tal atitude só é boa quando é a única; mas é má quando se pode optar por outra.
Ninguém deve se deixar abater na esperança de que outro o socorra. Isto não acontece. E, se acontecer não oferece segurança a quem usou desse expediente, por ser o mesmo aviltante e depender de favor alheio.”
Maquiavel, O Príncipe, Capítulo XXIV.

Trecho 2
Voltando agora ao tema de “ser temido ou amado”, direi que o amor dos homens depende deles enquanto o temor depende da vontade do príncipe e que, assim sendo, um príncipe sábio deve preferir o que depende dele e não dos outros, evitando, apenas, ser odiado. 
Maquiavel, O Príncipe, Capítulo XVII.
O que há em comum nos conselhos que Maquiavel oferece ao Príncipe nos dois trechos acima?

QUESTÃO 25 – (UFPR/2009)
“Da Filosofia nada direi, senão que, vendo-a cultivada pelos mais excelsos espíritos que viveram desde muitos séculos e que, no entanto, nela não se encontra ainda uma só coisa sobre a qual não se dispute, e, por conseguinte, que seja duvidosa, eu não alimentava qualquer presunção de acertar mais do que os outros; e que, considerando quantas opiniões diversas, sustentadas por homens doutos, pode haver sobre uma e mesma matéria, sem que jamais possa existir mais que uma que seja verdadeira, reputava quase como falso tudo quanto era somente verossímil. Depois, quanto às outras ciências, na medida em que tomavam seus princípios da Filosofia, julgava que nada de sólido se podia construir sobre fundamentos tão pouco firmes. E nem a honra, nem o ganho que elas prometem, eram suficientes para me incitar a aprendê-las... E enfim quanto às más doutrinas, pensava já conhecer o bastante o que valiam, para não mais estar exposto a ser enganado, nem pelas promessas de um alquimista, nem pelas predições de um astrólogo, nem pelas imposturas de um mágico, nem pelos artifícios e arrogância de qualquer um dos que professam saber mais do que sabem.”
Descartes, Discurso do Método, primeira parte.
a) A julgar por esse texto, qual era o objetivo de Descartes com o estudo da filosofia?
b) EXPLIQUE, com base nesse texto, por que Descartes via as teorias dos filósofos como “somente verossímeis” e “quase como falsas”.
c) Como se relacionam, na filosofia cartesiana, o exercício da dúvida e a conquista da ciência?

FILOSOFIA
Questão Assunto ou tema Gabarito
1 Senso comum e ciência  
resposta:[A]


2 Os pré-socráticos 
resposta:002

3 Dever e liberdade em Kant 
 resposta:024 (008 +016)

4 Estado de natureza e sociedade civil  
resposta:[C]

5 Racionalismo: René Descartes  
resposta:[C]

6 O criticismo kantiano: crítica à razão pura  
resposta:[A]

7 Aristóteles: ética e felicidade  
resposta:[E]

8 Empirismo: Francis Bacon  
resposta:[A] (Only 1, 2, 3, 5 and 6)

9 Rousseau e o contrato social 
 resposta:[D]

10 Empirismo: David Hume  
resposta:[E]

11 Adorno e a indústria cultural  
resposta:[D]

12 Sartre: o existencialismo  
resposta:[B]

13 Aristóteles e a silogística  
resposta:[E]

14 Marx e o problema da ideologia 
 resposta:[E]

15 Sartre e o Existencialismo: a liberdade como condenação 
resposta:[C]

16 A crítica ao positivismo: Karl Popper  
resposta:[E]

17 Maquiavel: o uso racional do poder 
resposta:[E]

18 Hobbes e o Leviatã 
resposta:[D]

19 Locke e o individualismo liberal 
resposta:[D]

20 Empirismo: David Hume 
resposta:[E]

21 Filosofia de Platão e de Aristóteles
Na pintura de Rafael, o gesto de Platão aponta para o “mundo ideal” e o de Aristóteles para o “mundo real”. A interpretação de Rafael é
evidentemente esquemática. Na resposta deve-se expor suas próprias concepções sobre as diferenças entre Platão e Aristóteles.

22 A resposta de Kant: “O que é Iluminismo?”
Aproveitando a sugestão do texto de Kant, o candidato poderá discorrer sobre os desafios do “amadurecimento” do ser humano e sobre a coragem necessária para se pautar pelo próprio entendimento ou razão e deixar de obedecer cegamente às imposições de outrem.

23 O método científico 
O aspecto histórico da questão diz respeito ao esforço de Galileu para argumentar em favor da distinção entre a verdade da religião e o conhecimento científico, de modo que ficasse claro a dependência da primeira em relação à revelação e à Igreja, e a autonomia do segundo, cuja verdade deve pautar-se exclusivamente por sua comprovação, racionalidade e verificação. Quanto ao método científico proposto por Galileu, ele envolvia estes procedimentos de observação dos fenômenos, de formulação teórica (sobretudo matemática) de sua explicação e a realização de experiências para ou suscitar explicações ou para comprovar ou refutar as que tivessem sido concebidas.


24 Maquiavel: o uso racional do poder
Receberam a pontuação integral respostas em que o candidato mostra que o que há de comum entre os dois conselhos de Maquiavel é que o príncipe deve preferir aquilo que está sob o seu controle, não dependendo dos homens tampouco da sorte. O candidato expõe sua resposta de forma bem articulada e clara, destacando de cada exemplo dos trechos a ideia geral da independência. Em acréscimo, o candidato relaciona corretamente os conselhos às noções de virtú e fortuna.

25 Racionalismo: René Descartes 
a) O objetivo de Descartes era a obtenção da verdade por meio de um método que proporcione certeza indubitável, exclua a possibilidade do erro e forneça um fundamento sólido para as ciências.
b) Descartes considera somente verossímeis as teorias dos filósofos em virtude do conflito existente entre elas, já que a verdade é una, e de sua carência de fundamentos firmes, que as torna vulneráveis à dúvida. A rejeição do duvidoso como falso é uma regra do método cartesiano, introduzida para evitar a possibilidade do erro e permitir a obtenção de certezas.
c) O exercício da dúvida é a primeira etapa do método cartesiano para a obtenção da ciência. Apenas o que se revela claro e distinto após o exercício da dúvida é aceito por Descartes como verdadeiro. A adoção da indubitabilidade como um critério para o reconhecimento da verdade pretende excluir a possibilidade do erro e permitir a aquisição de certezas a serem utilizadas na constituição da ciência.





Capital global


 Mapa-mundi do dinheiro


Esse mapa impressionante mostra cada país do globo representado por suas moedas correntes. Além de informar, a imagem ficou com um acabamento bem bacana.

O criador é um usuário da rede social Reddit que diz que demorou 12 horas para terminar o mapa. E aí, o que você achou da ideia?

Dá para ver a imagem em tamanho maior no site Mashable

sábado, 28 de julho de 2012

A Denúncia Social Na Música "admirável Gado Novo" De Zé Ramalho: Os Mecanismos Massivos De Alienação


 A Denúncia Social Na Música "admirável Gado Novo" De Zé Ramalho: Os Mecanismos Massivos De Alienação





Vocês que fazem parte dessa massa
Que passa nos projetos do futuro,
É duro tanto ter que caminhar
E dar muito mais do que receber,
E ter que demonstrar sua coragem
À margem do que possa parecer,
E ver que toda essa engrenagem
Já sente a ferrugem lhe comer.
Ê, vida de gado...
Povo marcado, Povo feliz...
Lá fora faz um tempo confortável,
A vigilância cuida do normal;
Os automóveis ouvem a notícia,
Os homens a publicam no jornal,
E correm através da madrugada,
A única velhice que chegou;
Demoram-se na beira da estrada
E passam a contar o que sobrou.
Ê, vida de gado...
Povo marcado, Povo feliz...
O povo foge da ignorância,
Apesar de viver tão perto dela,
E sonham com melhores tempos idos,
Contemplam essa vida numa cela,
E esperam nova possibilidade
De verem esse mundo se acabar;
A Arca de Noé, o dirigível
Não voam nem se podem flutuar.
Ê, vida de gado...
Povo marcado,Povo feliz...

 
Zé Ramalho é um músico intenso. Sua poesia é profundamente nordestina e, ao mesmo tempo universal, pois gira em torno de questões que intrigam o ser humano de uma forma geral. Sua música está recheada de citações às suas próprias experiências pessoais: movimento hippie, a batalha pelo pão, a necessidade de arranjar dinheiro, a procura de uma experiência mística, a tristeza de um amor impossível, etc. Com letras impactantes, a maioria delas de caráter místico e social, constituiu-se num cantor eclético atingindo várias gerações. "Admirável Gado Novo" é um dos seus maiores sucessos.
Passaremos a analisar essa música de Zé Ramalho, composta no final dos anos 70, período da Ditadura Militar no Brasil, sob a ótica da Crítica Literária Marxista. Essa linha crítica "analisa a Literatura em termos das condições históricas que a produzem", envolvendo a luta de classes e tendo como objetivo a compreensão das ideologias presentes em qualquer obra literária. De acordo com Marx, o aspecto material da sociedade condiciona o social, o político e, o que mais nos interessa, o intelectual e artístico em geral, ou seja, as relações sociais de uma forma geral dependem necessariamente das relações de produção. Dessa forma ele define o conceito de infra-estrutura como as relações e forças de produção que são sustentadas, isto é, legitimadas por uma superestrutura "que assegura que a situação em que uma classe social tem poder sobre as outras seja vista pela maioria dos membros da sociedade como natural ou nem mesmo seja vista".
Para o Marxismo, a arte, e por conseqüência a Literatura, faz parte dessa superestrutura. No entanto, a Literatura, apesar de estar contida nesse aparato ou Ideologia que reflete os interesses da classe dominante, não é um "simples reflexo passivo da base econômica". Isso implica dizer que a Arte Literária está contida na Ideologia, mas não está presa a ela, pois consegue distanciar-se ou até ir de encontro à visão da classe dominante, como é o caso da obra em questão. A contracultura e as vanguardas são exemplos da força crítica que tem a Arte Literária, bem como do seu poder de denúncia social e de exposição e mimetização da realidade. Terry Eagleton assim se expressa sobre a arte literária, na concepção materialista de Marx:
A teoria materialista da história nega que a arte por si só possa mudar o curso da história, mas insiste em que ela pode constituir um elemento ativo dessa mudança. (1978: 22).
Assim temos em "Admirável Gado Novo" uma forte crítica social, tendo em vista que o Brasil passava por um dos períodos mais negros da sua história. Vemos expressados nela a luta de classes, tão discutida por Marx, e um aspecto imprescindível nesse contexto que é a manutenção desse modelo social através da alienação das massas, metaforizada na figura do gado.
Outrossim, Zé Ramalho compôs "Admirável Gado Novo" numa clara referência ao romance de ficção científica de Aldous Huxley "Admirável Mundo Novo". Escrito em 1932, este romance descreve uma sociedade hipotética do futuro onde as pessoas são pré-condicionadas biologicamente e condicionadas psicologicamente a viverem em harmonia com as leis e ordens sociais sem possibilidade de contestação e senso crítico. No entanto, nesse "futuro" criado por Aldous Huxley não há as regras sociais, éticas ou religiosas de hoje. Qualquer dúvida de algum habitante é dissipada com o uso de uma droga, sem efeitos colaterais chamada "soma".
Vemos assim uma sociedade controlada, condicionada a viver em uma ordem estabelecida através do conformismo. Outro aspecto importante é que nesse "Mundo Novo" não há princípios morais e éticos. O controle se dá somente através da droga "soma" que surge como a representação dos instrumentos alienatórios da nossa sociedade, entre eles os meios de comunicação de massa como a televisão. Não há espaço para o questionamento, pois a "droga" elimina todas as dúvidas e continua a direcionar, é claro, de acordo a ordem dominante. É um mundo "admirável", pois se apresenta como modelo exemplar de perfeição e ordem, contudo esconde as desigualdades e mazelas sociais.
Essa visão crítica transposta na obra huxleyana reflete a preocupação do autor, que viveu a maior parte dos anos 20 na Itália fascista de Mussolini, com a liberdade individual em detrimento ao autoritarismo tão bem retratado em sua obra-prima "Admirável Mundo Novo". Com certeza sua estada no país europeu o impeliram consideravelmente na composição desse livro.
Mas voltando à música em questão, já vimos de onde se originou seu título e idéia e como ela contém diversos elementos do pensamento marxista sobre a sociedade. Dessa feita passaremos a detalhar alguns aspectos importantes na compreensão de sua ideologia, que como já vimos vai de encontro à visão da classe dominante trazendo uma crítica social que a caracteriza como uma obra que, mesmo estando na superestrutura como diz Marx, não se propõe a legitimar a exploração de uma classe sobre as outras.
A exploração do homem pelo homem é um dos pontos fortes sobre o qual se fundamenta a análise marxista da sociedade. E nesse sentido a expressão "massa" aparece como um forte indicador do anonimato, do tratamento não individual, essencialmente coletivo que o Capitalismo impõe aos indivíduos. Representa a necessidade da produtividade, bem como aquilo de pouco apuro, reflexão e qualidade, dada a falta de acesso da "massa" à educação e ao conhecimento de uma forma geral.
Essa condição massificada gera o problema de "dar muito mais do que receber", característico do modo de produção capitalista que faz com que o trabalhador produza muito e receba pouco. No caso brasileiro, essa exploração se caracteriza desde o campo, com o trabalho semi-escravo, à cidade, com as altas cargas de trabalho e a constante supressão dos direitos trabalhistas. Assim, temos o quadro lamentável da nossa estrutura de classes. Apesar disso o autor enfatiza a coragem da "massa", demonstrada "à margem do que possa parecer", na manifestação de um povo que sofre com o sistema, mas não perde sua alegria.
Outra consideração importante a fazer é a referência a "engrenagem" que "sente a ferrugem lhe comer". Tal expressão faz uso da metáfora e refere-se tanto à autodestruição do Capitalismo, pregada por Marx, quanto à derrocada do regime militar que vigorava no Brasil naquele período. Segundo o pensamento marxista, o Capitalismo carrega os germes de sua própria destruição, e seria suplantado pelo Socialismo onde os trabalhadores formariam uma sociedade baseada na propriedade coletiva dos meios de produção, pois, propõe a visão marxista, que todo sistema econômico traz no seu embrião as contradições que irão destruí-lo por meio da luta de classes
Uma outra faceta digna de maior discussão é a metáfora do gado. Afinal, que semelhanças podemos depreender, pela ideologia do compositor, entre o "povo marcado" e o gado? De fato não haveria um ser melhor para representar a submissão e o conformismo do que o gado, que se deixa ordenhar, direcionar e guiar pelos seus "donos". A condição de manipulação e exploração a que se submete este animal ocorre desde a vida até a morte, na extração da carne para a alimentação humana.
A condição da classe dominada é semelhante, pois o aumento do lucro dos donos dos meios de produção é proporcional a degradação do trabalhador que quanto mais trabalha menos recebe. Além disso, existem mecanismos de alienação e direcionamento das massas para que essa situação de exploração não seja questionada ou sequer entendida. Tais mecanismos se constituem como importante instrumento da ordem estabelecida e favorecem àqueles que detêm o poder, pois onde não há contestação ou cobrança, a facilidade para o auto-favorecimento, a corrupção e a impunidade é muito maior. A conseqüência disso é o agravamento da desigualdade social e de todos os demais problemas sociais. Antônio Gramsci define a alienação na ótica marxista dessa forma:
O homem, através da alienação torna-se estranho a ele mesmo; não se reconhece a si mesmo; o trabalho o tornou estranho; aquilo que produz lhe é estranho; a atividade tornou-se massificante, penosa, desgostosa por que ela tornou-se exclusivamente um meio de subsistência.(2005: 15).
Temos uma massa que é manipulada ao bel prazer das grandes mídias, enquanto é guiada a caminhos que desconhece totalmente. Sob a justificativa de fugir dos problemas, assistindo a programas de baixa qualidade ou simplesmente recebendo sem questionar o que lhes é informado, acaba fugindo da realidade e adentrando num preocupante estado de alienação e descomprometimento social.
Outrossim, se levarmos em consideração a história do Brasil iremos observar que boa parte das decisões mais importantes do país (como a Independência e a Proclamação da República, por exemplo) não tiveram nenhuma participação das camadas mais pobres da sociedade, que ficaram à margem de todos esses acontecimentos.
A antiga tática romana do "Pão e Circo" é reinventada atualmente, porém mantendo o seu princípio de alienação através do binômio alimento/entretenimento. Os programas assistencialistas da atualidade, se trazem alguma ajuda, acarretam um enorme conformismo, transformando-se até mesmo em instrumento de promoção política. Aliado a isso nos deparamos com a mídia televisiva e fonográfica que, a pretexto de entreter, acaba por maquiar, esconder ou até deturpar a realidade, usando como instrumento a massificação dos seus produtos, onde a qualidade quase sempre é sacrificada em nome do rendimento financeiro. No caso da TV, encontramos um sem número de programas que em busca da audiência se prestam a expor exaustivamente a nova fórmula do IBOPE: Sexo e violência. Dessa forma, salvo raras e honrosas exceções, cumprem a função de componentes da superestrutura, dando um suporte imprescindível à manutenção da ordem estabelecida.
Levando em conta o contexto histórico em que se insere a música servi- nos lembrar que o Brasil vivia o auge da Ditadura Militar, período negro da nossa história em que milhares de intelectuais e oposicionistas foram perseguidos, mortos e exilados. Apesar disso, no início da década de 70 o país estava em êxtase devido à conquista da Copa do Mundo, fato amplamente utilizado como propaganda do Governo Militar de Garrastazu Médici. Acresce-se a isso o "Milagre Econômico", proporcionado pela invasão das multinacionais ao Brasil, e a forte propaganda do regime, levando a "massa" ao entorpecimento quase total.
É justamente aos donos do poder que encontramos fortes críticas, pois é para eles que "lá fora faz um tempo confortável", procurando cuidar do normal e manter a "ordem" das coisas. Em relação a isso, o autor faz uma menção simbólica à perseguição aos opositores do regime e a forma como esse sistema era mantido com o "gado" à margem da realidade da situação. É utilizando a arma do simbolismo, da metáfora, da duplicidade de sentido que Zé Ramalho empreende sua crítica a esse estado de coisas e aos que mantêm essa situação.
Essa condição de alienação e entorpecimento vivida pelo povo faz com que ele "contemple essa vida numa cela". Essa prisão nada mais é do que a ignorância, o assujeitamento, o conformismo que impossibilitam a visão crítica e transformadora da sociedade. Preso ao sistema e dirigido por vontades alheias, exatamente como o rebanho no curral.
No fim da música temos uma menção à religião, esta é caracterizada como uma fuga empreendida pelo povo em face dos problemas que vivencia: "E esperam nova possibilidade/ De verem esse mundo se acabar; / A arca de Noé, o dirigível...". Essa concepção sobre religião demonstrada pelo compositor assemelha-se ao pensamento marxista, pois na visão de Marx a religião é uma droga porque apazigua os ânimos do explorado impedindo-o de reagir à situação em que se encontra ao aceitá-la como natural. O próprio Marx assim se expressa sobre a religião:
O sofrimento religioso é, a um único e mesmo tempo, a expressão do sofrimento real e um protesto contra o sofrimento real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o coração de um mundo sem coração e a alma de condições desalmadas. É o ópio do povo.(1844: 5)
Diante de tudo o que foi exposto podemos dizer que, na tentativa de compreender sob a ótica da Critica Marxista a ideologia da música "Admirável Gado Novo", constatamos que ela apresenta diversos aspectos do pensamento de Marx sobre a sociedade tais como a luta de classes, a exploração do homem pelo homem, a alienação e a religião. Além disso, observamos que existem na mesma obra elementos de crítica ao regime ditatorial do período em que ela foi composta. Entretanto, essa crítica transcende o contexto histórico do autor e chega ao Universalismo por atacar também o sistema capitalista. Enfim, é uma obra rica, de densidade social muito forte e que serve como alerta para que o "povo feliz" e "marcado" deixe de ter uma "vida de gado".


Leia mais em: 
http://www.webartigos.com/artigos/a-denuncia-social-na-musica-quot-admiravel-gado-novo-quot-de-ze-ramalho-os-mecanismos-massivos-de-alienacao/2684/#ixzz21wAMiTM0

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Pio Penna Filho comenta os conflitos no Mali


Os Conflitos no Mali

Pio Penna Filho*

O Mali é um país africano pouquíssimo conhecido fora da África. O país, um dos mais pobres do mundo, foi colônia francesa do final do século XIX até o ano da sua independência, ocorrida em 1960. Atualmente, vem chamando a atenção do mundo em decorrência de um golpe de Estado e de distúrbios no norte e na região onde fica a capital, Bamaco.
O território que hoje pertence à República do Mali é uma área de transição entre o Norte da África e a chamada África Ocidental e foi berço de importantes impérios africanos que ali floresceram bem antes da chegada dos europeus. Os imponentes Império de Gana, Império Mali e Império Sonhai foram as mais expressivas organizações políticas que existiram naquela área na fase pré-colonial.
A conquista do território pelos franceses ocorreu num momento em que todos esses impérios já haviam ruído. A colonização seguiu o modelo de exploração padrão francês, sem promover nenhum grande empreendimento na colônia. Já independente, o Mali surge como um Estado frágil, tanto em termos econômicos quanto institucionais.
Sua história recente como país, ou seja, a partir da independência em 1960, registra pelo menos três modelos políticos distintos. O primeiro foi o unipartidarismo dos anos iniciais, com inclinações pró-Soviéticas, depois veio um violento regime militar e, por último, a instauração de uma democracia pluripartidária, frequentemente colocada à prova por várias tentativas de golpes de Estado.
São três os principais problemas políticos do Mali no momento. Em primeiro lugar, destaca-se a intençãode uma facção dos tuaregues de proclamar a independência da região chamada de Azawad. Em segundo, outro grupo tuaregue busca impor uma ordem essencialmente religiosa para o Mali, porém sem a secessão desejada pelo primeiro. Em terceiro, um grupo de militares insurgentes que se rebelou contra o governo e provocou a queda do regime do presidente Amadou Toumani Touré.
O primeiro grupo citado está congregado em torno do Movimento Nacional de Libertação Azauade (MNLA), que liderou a rebelião tuaregue visando a independência do território Azawad, que engloba boa parte do país. O grupo se viu subitamente fortalecido quando do retorno de muitos tuaregues que lutaram como mercenários ao lado de Kadaffi, na guerra civil da Líbia, e que regressaram fortemente armados do conflito. Vale lembrar que os tuaregues estão dispersos entre Mali, Níger,  sul da Argélia, Chade, Burkina Faso e sudoeste da Líbia.
O segundo movimento é o chamado AnsarDine, um grupo predominantemente formado por tuaregues fundamentalistas que querem a implementação de um Estado teocrático baseado na Sharia em todo o Mali. O Ansar Dine é um aliado de ocasião do MNLA, principalmente pelos laços étnicos comuns. Todavia, seus objetivos são muito mais religiosos que políticos. Há evidências de que possui relações com outros grupos fundamentalistas islâmicos, como a Al-Qaeda.
Por fim, e como reação à condução da política governamental contra os tuaregues, um grupo de militares de média patente, liderados pelo capitão Amadou Konaré, criou o chamado Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado (CNRDR). Foi justamente esse grupo que promoveu o golpe de Estado em março desse ano.
 mali 020412 popa humor politico internacional Golpe no Mali: ao menos 4 morrem.

O Mali vive atualmente seus terríveis dilemas políticos. Parte de sua população está submetida ao terror do fundamentalismo islâmico e outra parte à mercê da vontade e da violência de militares golpistas que, em nome da democracia, derrubaram um governo democraticamente eleito. Por enquanto não existem boas perspectivas para o país. A solução passa, pelo menos por ora, necessariamente por maior envolvimento da comunidade internacional, que infelizmente não está muito interessada e com disposição para agir.


*Professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB) e Pesquisador do CNPq. E-mail: piopenna@gmail.com

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Rádio Social: críticas, reflexões e música de qualidade


 
"Querellas do Brasil", também conhecida como "Querelas do Brasil", é uma canção composta por Maurício Tapajós e Aldir Blanc e primeiramente interpretada por Elis Regina no álbum Transversal do Tempo, gravado ao vivo no Teatro Ginástico, no Rio de Janeiro em abril de 1978.
A canção, cujo título faz uma clara referência à canção "Aquarela do Brasil", a mais conhecida de Ary Barroso, denuncia que a elite econômica brasileira estaria suprimindo a cultura popular do país com sua cultura amplamente americanizada, o que pode ser percebido na letra por versos como "o Brazil não conhece o Brasil" e "o Brazil tá matando o Brasil". Logo após constatado este fato, com o intuito de valorizar a cultura nacional, inúmeras palavras de origem claramente brasileira são pronunciadas.
A palavra "querella" vem do latim e, de acordo com o Dicionário Aurélio, pode significar tanto "lamento" quanto "queixa". A canção, portanto, pode ser tanto um lamento quanto uma queixa da situação que descreve. Por pedir um "S.O.S. ao Brasil" em seu final, entretanto, está mais para um lamento, comprovando a tese de que a substituição do Brasil pelo "Brazil" será inevitável.


 
Querelas do Brasil
Elis Regina

O Brazil não conhece o Brasil
O Brasil nunca foi ao Brazil
Tapir, jabuti, liana, alamandra, alialaúde
Piau, ururau, aqui, ataúde
Piá, carioca, porecramecrã
Jobim akarore Jobim-açu
Oh, oh, oh

Pererê, câmara, tororó, olererê
Piriri, ratatá, karatê, olará

O Brazil não merece o Brasil
O Brazil ta matando o Brasil
Jereba, saci, caandrades
Cunhãs, ariranha, aranha
Sertões, Guimarães, bachianas, águas
E Marionaíma, ariraribóia,
Na aura das mãos do Jobim-açu
Oh, oh, oh

Jererê, sarará, cururu, olerê
Blablablá, bafafá, sururu, olará

Do Brasil, SoS ao Brasil
Do Brasil, SoS ao Brasil
Do Brasil, SoS ao Brasil

Tinhorão, urutu, sucuri
O Jobim, sabiá, bem-te-vi
Cabuçu, Cordovil, Caxambi, olerê
Madureira, Olaria e Bangu, Olará
Cascadura, Água Santa, Acari, Olerê
Ipanema e Nova Iguaçu, Olará
Do Brasil, SoS ao Brasil
Do Brasil, SoS ao Brasil

Simula! 5



QUESTÃO 01 – (UPE 2010)
Dentre os principais autores articuladores da Sociologia na sua fase inicial de desenvolvimento, é CORRETO citar os nomes de
a) Marx e Foucault.
b) Comte e Durkheim.
c) Descartes e Marx.
d) Aristóteles e Comte.
e) Durkheim e Chartier.


resposta:[B]

QUESTÃO 02 – (UNIOESTE 2010)
ASSINALE o item que melhor completa a frase “Os dois conceitos sociológicos: família e parentesco, ajudam no desenvolvimento sociológico ao
a) desvelarem a forma, a intensidade e finalidade da reprodução sexual da humanidade, pela qual a humanidade se perpetua.”
b) provocarem a constatação de que estão na origem das classes sociais, por meio do nascimento dos indivíduos.”
c) serem o local do amor e outras tantas e importantes relações afetivo-emocionais experimentadas pela sociedade.”
d) possibilitarem a compreensão da organização social apenas nas sociedades de menor densidade.”
e) tornarem compreensíveis as relações de afinidade e consanguinidade experimentadas pelos membros de um determinado grupo.”


resposta:[E]

QUESTÃO 03 – (UEAP 2010)
Durkheim definiu com clareza o objeto da Sociologia – os fatos sociais – e distinguiu três características: a exterioridade, a coercitividade e a generalidade.
Com base em seus conhecimentos sobre o assunto, analise as proposições e, posteriormente, assinale a alternativa CORRETA.
I – O fato social exterior é aquele que existe e atua sobre o indivíduo, independente de sua vontade ou de sua adesão consciente.
II – O fato social coercitivo só se manifesta no indivíduo se ele reagir à sanção. Portanto, depende da forma como o indivíduo se expressa.
III – O fato social é geral quando se repete em todos os indivíduos ou, pelo menos, na maioria deles. Nesse sentido, a generalidade se manifesta na natureza coletiva ou em um estado comum ao grupo.
a) Apenas I e II estão corretas.
b) Apenas II e III estão corretas.
c) Apenas I e III estão corretas.
d) Todas as proposições estão corretas.
e) Nenhuma das proposições está correta.

resposta:[C]



QUESTÃO 04 – (UNIOESTE 2009)
Com base nos seus conhecimentos sobre o termo IDEOLOGIA, considere as afirmativas a seguir.
I – Trata-se de um conjunto de idéias, valores ou crenças que orientam a percepção e o comportamento dos indivíduos sobre diversos assuntos ou aspectos sociais e políticos.
II – Na perspectiva marxista, a ideologia é um conceito que denota “falsa consciência”: uma crença mistificante que é socialmente determinada e que se presta a estabilizar a ordem social vigente em benefício das classes dominantes.
III – A ideologia consiste em idéias explícitas, fruto da reflexão coletiva e, portanto, internalizadas por todos os indivíduos sem possibilidades de se romper com seus pressupostos.
IV – A ideologia pode ser usada para manipular, direcionar e/ou limitar a visão das pessoas sobre determinado assunto ou questão.
Assinale a alternativa que contém as afirmativas CORRETAS.
a) I e II.
b) I, II e III.
c) I, II e IV.
d) II e IV.
e) II, III e IV.


resposta:[C]

QUESTÃO 05 – (UEG 2009)
A expansão cada vez maior da sociedade de consumo implica o crescimento elevado da produção de lixo, cuja destinação vem se tornando crucial na medida em que se agravam os problemas ambientais urbanos.
Sobre essa temática, é CORRETO afirmar que
a) a coleta de resíduos sólidos inibe a contaminação do solo e das águas, evitando a produção de chorume e, consequentemente, do chamado lixo cadavérico.
b) a construção de aterros sanitários é uma das soluções adequadas à destinação final do lixo, pois elimina as possibilidades de contaminações do lençol freático.
c) através da coleta de lixo é feita a compostagem, importante para ser utilizada como adubo nas plantações de hortaliças.
d) nos locais onde a coleta de lixo é irregular ou inexiste, há uma probabilidade maior de transmissão de doenças, uma vez que os microrganismos proliferam rapidamente.


resposta:[D]

QUESTÃO 06 – (UEMS 2010)
A modernização e o crescimento das redes de transporte, por exemplo, o ferroviário, foram fenômenos decisivos para a consolidação do capitalismo como um sistema econômico e social de escala mundial. Entretanto, durante muitos anos, essa escala foi fortemente disciplinada pela importância dos Estados Nacionais. Ao longo da segunda metade do século XX, transformações como o enfraquecimento dos Estados Nacionais, formação e fortalecimento de diversos organismos internacionais (Organização das Nações Unidas, Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial), grandes avanços no campo da informática, digitalização dos processos de comunicação, entre outros, produziram um novo fenômeno de ampliação do alcance do capitalismo. 
Esse fenômeno ficou conhecido como
a) evolucionismo.
b) globalização.
c) mercantilização.
d) desenvolvimentismo.
e) industrialização.

resposta:[B]

QUESTÃO 07 – (UEMS/2010)
Iracema voou
Iracema voou
Para a América
Leva roupa de lã
E anda lépida
Vê um filme de quando em vez
Não domina o idioma inglês
Lava chão numa casa de chá
Tem saído ao luar
Com um mímico
Ambiciona estudar
Canto lírico
Não dá mole pra polícia
Se puder, vai ficando por lá
Tem saudade do Ceará
Mas não muita
Uns dias, afoita
Me liga a cobrar
É Iracema da América.
Disponível em: http://letras.terra.com.br/chico-buarque/45137/ (15/7/09). Composição: Chico Buarque


No texto “Iracema voou”, entre os diversos problemas que envolvem a migração, o compositor Chico Buarque explicita o fato “Iracema (...) / Lava chão numa casa de chá”. Tal fato evidencia dois fenômenos simultâneos: a entrada massiva das mulheres no mercado de trabalho ao longo do século XX e as dificuldades que as mesmas encontram para atingir postos de trabalho qualificados.
Sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho, pode-se afirmar que, atualmente,
I – mulheres recebem, em média, salários menores que os salários recebidos pelos homens.
II – mulheres com alta qualificação sempre conseguem bons postos de trabalho, mesmo quando migram ilegalmente para outros países.
III – o nível de escolaridade das mulheres que estão no mercado de trabalho é, em média, superior ao dos homens.

É VERDADEIRO o que se afirma em
a) I e II apenas.
b) I e III apenas.
c) II e III apenas.
d) III apenas.
e) I, II e III.


resposta:[B]

QUESTÃO 08 – (UFU 2009)
Com relação à chamada cultura de massas ou à mercantilização da cultura, marque a alternativa CORRETA.
a) Para os autores da teoria crítica, as modernas sociedades industrializadas desenvolvem uma produção cultural diversificada, produzida pelas massas. Essa produção tem por objetivo a satisfação das necessidades humanas, independentemente da lógica do mercado.
b) De acordo com a teoria crítica, as sociedades modernas capitalistas têm como característica fundamental a produção do valor de troca, o que possibilita a existência de uma produção artística e cultural totalmente independente da lógica do mercado.
c) Segundo os autores da chamada teoria crítica, há uma tendência, na moderna sociedade capitalista, de transformar tudo em mercadorias, fazendo com que o critério estético das pessoas passe a ser diferente daquele pelo qual as mercadorias são analisadas. Esse outro critério é fundado na exterioridade e na lógica de mercado.
d) De acordo com a teoria crítica, há uma tendência na sociedade moderna capitalista de transformar tudo em mercadoria, fazendo com que o critério estético das pessoas passe a ser o mesmo das coisas. Esse critério funda-se na exterioridade e na lógica do mercado.


 resposta:[D]

QUESTÃO 09 – (UEL 2008)
De acordo com Max Weber, a Sociologia significa: “uma ciência que pretende compreender interpretativamente a ação social e assim explicá-la casualmente em seu curso e em seus efeitos.”
Por ação social entende-se as ações que “quanto ao seu sentido visado pelo agente, se refere ao comportamento dos outros, orientando-se por este em seu curso.”
WEBER, M. Economia e sociedade. trad. por Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. v.I. Brasília: Editora UnB, 2000. p. 3

Com base no texto, considere as afirmativas a seguir:
I – “Mesmo entre gente humilde, porém, funcionava o sistema de obrigações recíprocas. O nonagentário Nhô Samuel lembrava com saudade o dia em que o pai, sitiante perto de Tatuí, lhe disse que era tempo de irem buscar a novilha dada pelo padrinho... Diz que era costume, se o pai morria, o padrinho ajudar a comadre até ‘arranjar a vida’. Hoje, diz Nhô Roque, a gente paga o batismo e, quando o afilhado cresce, nem vem dar louvado (pedir a benção).”
CANDIDO, A. Os Parceiros do Rio Bonito. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1982. p. 247.
II – “O sertanejo é, antes de tudo, um forte. Não tem o raquitismo exaustivo dos mestiços neurastênicos do litoral. A sua aparência, entretanto, ao primeiro lance de vista, revela o contrário. Falta-lhe a plástica impecável, o desempeno, a estrutura corretíssima das organizações atléticas.”
CUNHA, E. Os Sertões. São Paulo: Círculo do Livro, 1989. p. 95.
III – “Não há assim por que considerar que as formas anacrônicas e remanescentes do escravismo, ainda presentes nas relações de trabalho rural brasileiro, [...], dando com isso origem a relações semifeudais que implicariam uma situação de ‘latifúndios de tipo senhorial a explorarem camponeses ainda envolvidos em restrições da servidão da gleba’. Isso tudo não tem sentido na estrutura social brasileira.”
PRADO Jr., C. A Revolução Brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 106.
IV – “O coronel, antes de ser um líder político, é um líder econômico, não necessariamente, como se diz sempre, o fazendeiro que manda nos seus agregados, empregados ou dependentes. O vínculo não obedece a linhas tão simples, que se traduziriam no mero prolongamento do poder privado na ordem na ordem pública [...] Ocorre que o coronel não manda porque tem riqueza, mas manda porque se lhe reconhece esse poder, num pacto não escrito.”
FAORO, R. Os donos do poder. v. 2. Porto Alegre: Editora Globo, 1973. p. 622.

Correspondem ao conceito de ação social citado anteriormente SOMENTE as afirmativas
a) I e IV.
b) II e III.
c) II e IV.
d) I, II e III.
e) II, III e IV.


 resposta:[A]

QUESTÃO 10 – (UFU 2008)
A respeito do contexto histórico de emergência da Sociologia, marque a alternativa correta.
a) A crescente legitimidade científica do saber sociológico, produzido por autores como Auguste Comte e Émile Durkheim, deveu-se à sua forte crítica ao Iluminismo.
b) A Sociologia consolidou-se, disciplinarmente, em resposta aos novos problemas e desafios desencadeados por transformações sociais, políticas, econômicas e culturais, cujos marcos históricos principais foram a Revolução Industrial e a Revolução Francesa.
c) Um dos principais legados do Iluminismo foi a crítica severa às concepções científicas da realidade social, combinada com a reafirmação de princípios e interpretações de cunho religioso.
d) Herdeira direta das transformações sociais desencadeadas pela Revolução Industrial e pela Revolução Francesa, a Sociologia ignorou os métodos racionais de investigação em favor do conhecimento produzido pelo senso-comum.


resposta:[B] 



QUESTÃO 11 – (UFU 2008)
Em matéria veiculada na revista CULT (número 115, julho/2007, p. 46-48), o sociólogo e professor da USP, Laurindo Lalo Leal Filho, assim se manifestou acerca da TV digital no Brasil:
...vozes que se levantam contra a qualidade do serviço prestado pela televisão são contidas sob a alegação de que com a nova tecnologia [TV digital] tudo será diferente [...]. As perspectivas não são muito animadoras. Há fortes indícios de que uma tecnologia, como a da TV digital, capaz de impulsionar a democratização da oferta televisiva, venha a ser apropriada pelos mesmos grupos que sempre controlaram o setor. São empresas operadoras de um serviço público atuando estritamente nos limites da lógica comercial, determinada pela maximização dos lucros [...]. A diversidade da programação ficará, outra vez, posta de lado.

Considerando esse ponto de vista, marque a alternativa CORRETA.
a) Nenhuma forma de estruturar a mídia televisiva pode ser democrática, pois as relações sociais que a enquadram não podem ser alteradas.
b) A diversidade da programação televisiva é a expressão da soberania do telespectador, consumidor de produtos culturais nessa mídia.
c) A tecnologia da TV digital democratizará o acesso a um leque mais amplo de abordagens e conteúdos, pois essa tecnologia independe das relações sociais nas quais se insere.
d) A mercantilização das relações sociais também se expressa no espaço televisivo, que se serve, também, de estereótipos para fins econômicos. 



resposta:[D] 

QUESTÃO 12 – (UFU 2008)
No tocante aos princípios centrais do taylorismo, como propostos por Frederick Winslow Taylor na obra Princípios de Administração Científica, marque a alternativa CORRETA.
a) O chamado sistema taylor de produção proporcionou aos trabalhadores maior tempo livre nos processos de execução das tarefas produtivas.
b) O taylorismo implicou maior autonomia decisória aos trabalhadores responsáveis pela execução das tarefas produtivas.
c) O taylorismo consistiu em um conjunto de princípios críticos e contrários ao estudo científico do processo de produção econômica.
d) Os princípios tayloristas estabelecem uma separação clara entre, de um lado, as fases de planejamento, concepção e direção do processo produtivo e, de outro, as tarefas de execução.


resposta:[D] 

QUESTÃO 13 – (UFPR 2010)
Ao longo das últimas três décadas, houve um aumento significativo dos movimentos sociais em todo o mundo. Qual é o objetivo dos movimentos sociais? CITE três movimentos entre os que mais se destacaram em todo o mundo nos últimos 30 anos. Comente seus objetivos e modos de atuação.

 resposta:
 
a) Os movimentos sociais visam estimular mudanças sobre uma questão pública, a fim de expandir os direitos civis para um segmento da população, trata-se também de um canal para o exercício da cidadania. 
b) Movimento feminista, que luta por mais direito para as mulheres; movimento ecológico, que busca a conservação do meio ambiente através do desenvolvimento sustentável; movimento homossexual, que visa mais igualdade de tratamento e oportunidades para os homossexuais.




QUESTÃO 14  - (UFPR 2010)
Uma das questões que vêm afetando a todos na sociedade contemporânea são os efeitos da emissão de carbono no meio ambiente. Esse fenômeno não é recente: ele se inicia com o processo de industrialização instaurado na modernidade. Nos últimos anos do século XX, a emissão de carbono passou a ser considerada um dos problemas a serem enfrentados na atualidade. IDENTIFIQUE os agentes sociais que têm atuado no enfrentamento da questão e o que eles propõem.

resposta: 
 
Os cidadãos comuns interessados na causa ambiental e principalmente a sociedade civil organizada em ONGs – Organizações Não Governamentais - que propõe: a) a educação ambiental e a adoção do consumo consciente por parte dos cidadãos comuns; e b) a criação de leis e políticas públicas que visam desencorajar (podendo ser utilizados incentivos econômicos) ou mesmo punir práticas que possam levar à degradação do meio ambiente. Ações de ativismo são tidas como importantes na medida em que dão visibilidade para a causa ambiental

QUESTÃO 15 – (UFPR 2010)
Como Marx define ideologia?

 resposta: 

 Marx define ideologia predominantemente como “falsa consciência”. Trata-se de um conjunto de crenças determinado socialmente e que tem por objetivo estabilizar a ordem social vigente, em favor das classes dominantes e em detrimento do proletariado.